A Pantera Negra é um Jaguar preto que anda pela floresta escura do que não conheces sobre ti. Apenas os seus olhos amarelos brilhantes se vêm no escuro. São como um convite, que te olha pelo lado de dentro da alma e te pede que encares a tua sombra. Os olhos de uma Pantera parecem saber mais sobre ti que tu mesma, e magneticamente te chamam, para entrares no teu escuro pessoal.

A Pantera convida a entrares no vazio, na quietude de uma floresta escura. Pede-te que recuses os recorrentes mecanismos de defesa que tentam convencer que “Tudo está bem!” ou que “Eu não tenho problemas, o outro é que fez isto ou aquilo” ou que “São apenas coincidências, o problema não existe.” ou ainda que “Foi de não ter bebido café, ou de não ter dormido bem, ou…” ou ainda, “É o mundo que está podre.”

Se a vida não te corre como queres, se sentes que não estás viva, que apenas sobrevives. Se estás à espera de algo de fora de ti, do mundo, do outro, do chefe, do companheiro, da mãe ou do pai, do amigo ou amiga, para te sentires vivo, lamento dizer que algo que não conheces, algo que ignoras, algo que está no escuro, está a levar-te para longe de ti e do teu caminho.

A Pantera e o Jaguar ajudam a viver a vida, à beira do precipício, pois muitas vezes nos esquecemos que a morte é certa e que para viver é aqui e agora. E um guerreiro está sempre pronto para morrer! Então a vida acontece apenas e só aqui e agora! (Pelo menos esta vida assim é, e foi nesta que o teu espírito escolheu e escolhe estar).

A Pantera e o Jaguar são da medicina da integridade, são guerreiros espirituais, daqueles que se perseguem a si próprios e que procuram estar no seu melhor, sempre!

 

Da medicina das panteras não existe o ego iluminado que se perdeu no seu umbigo. Não existe abuso de poder, influência ou manipulação do outro. Não existe critica ou julgamento de ninguém, nem de si. Mas existe a chave para lidarmos com esses desafios. Esta medicina desafia a olhares a tua sombra de frente e tomares a responsabilidade das tuas escolhas. Não é medicina de culpa, a culpa não é de ninguém. Existe sim ignorância, escuro, sombra.

Olhar de frente para a sombra não é fácil, encarar a verdade requer uma dose extra de coragem. Mas no processo, pode ser que descubras que afinal aquilo que mais temias, era apenas uma mentira que a ignorância da escuridão conta a si mesma, todos os dias.

E a escuridão faz medo, faz sim senhora, mas é sanadora também, pois para aqueles que estão disponíveis para ir além dos seus medos, vão descobrir a doçura que é descobrir, que o medo é apenas uma ilusão que te faz acreditar em filmes de terror, projetando fantasmas e demónios do passado, que já não existem ou ansiedades por um futuro que ainda não aconteceu.

Afinal nem tudo é preto ou branco, bom ou mau… afinal da sombra nasce luz, afinal a sombra existe porque existe luz.

Experimentar esse gostinho é entrar de coração corajoso na floresta escura e perseguir a luz reflectida nos olhos da Pantera… porque já dizia o outro, o que mais temes é o teu maior tesouro.

Na companhia da pantera, na companhia do jaguar negro, a guerreira persegue-se a si mesma e aquilo que descobre não é dor, é o que está para além da dor. Mas para isso é preciso atravessar essa dor, deixar que ela aflore das profundezas da noite escura.

O que te posso garantir é que, por mais feia, por mais cabeluda que seja essa dor, senti-la não te vai matar. Sentir e atravessar pela dor adentro vai deixá-la sair, para descobrires algo por detrás dela. Esse algo só tu podes provar o gostinho. E garanto que é gostoso.

A Pantera é um felino mimalho e ronronante. É um gato gigante que te lava a pele, o pelo e o cabelo e te aconchega no seu colo quente e fofinho. A Pantera é uma mãe protectora que te mostra o amor incondicional da verdade. Se arriscares entrar na floresta escura e encarar a sombra de frente, ela não te vai julgar, castigar ou culpar. Como já disse antes, a culpa não existe, só existe ignorância. E como uma mãe amorosa, sendo sua filha, não precisas de mais nada a não ser SER. O escuro da Pantera é como um útero, é o local mais seguro que podes encontrar. Ali encontras a compaixão por seres apenas e só humano, com falhas, ali encontras o verdadeiro sentido da humildade.

A Pantera está disponível para ti se quiseres atravessar a dor que reprimes, ou que deixaste de sentir. Salta para esta aventura no vazio do escuro, é como voltar ao início de tudo… e o início de tudo é Agora! E o Agora é o maior presente que podes ter na vida, é sentires-te bem na tua pele, é voltar a casa. É morrer antes de morrer, para poder viver enquanto estás viva!

Aho Pantera! Sou grata!

 

 

Este texto faz parte do programa da Jornada Mulher-Terra, 3º encontro.

Direção Oesta na Roda de Medicina – Sabedoria Interior – A Guerreira Jaguar. Eu e o outro – YANG – Animus

Saiba Mais

Gostou? Não se esqueça de partilhar com os seus amigos! Muito obrigada!

Leave Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *