O Tempo sem Tempo

Partilhe este conteúdo!

Desde tempos imemoriais que nos juntamos em círculo, em comunidade à volta do fogo, com tambores, com batidas monótonas, orando, almejando algo maior que nós, algo que nos transcende, algo que dá todo o significado à nossa vida.

E sim, nesse lugar de muito som monótono e oração repetida, esvazia-se a mente e entra-se no silêncio. Esse é um dos principais propósitos da prática xamânica (e dos círculos xamânicos), porque é no silêncio da cacafonia dos tambores e orações, que entramos num tempo sem tempo, no mar do inconsciente, como ponte que nos liga a tudo o que desconhecemos sobre nós, o grande mistério, o Grande Espírito!

Nesse lugar sem tempo, encontramos a parte de que somos TODO, a alma que nos anima o corpo.

Num estado de transe todas as soluções podem ser encontradas, porque saímos da realidade comum e entramos num mundo mágico, onde se encontra o potencial oculto de todos os “para quês” do que nos acontece!

O contacto com o mundo do espírito, com o tempo sem tempo, sempre aconteceu em todas as civilizações. Quanto nos afastamos muito da nossa dimensão espiritual, perdemos uma dimensão humana essencial à vida, diria até essencial à nossa psique, ao nosso bem estar. Porque experiências de transe fizeram parte da nossa evolução biológica, sem elas entramos num vazio.

E na verdade nunca nos sentimos num vazio tão grande, e no entanto nesta cacafonia toda dos tempos que correm, não se encontra nunca o silêncio.

*da senda dos EAC, Estados Alterados de Consciência, que é o mesmo que dizer transe, essência da própria prática xamânica antiga, parte integral e pilar do meu trabalho.

 


1 ano para fazeres a alquimia dos teus lugares escuros!


Partilhe este conteúdo!

Leave Comment

O seu endereço de email não será publicado.